Opala: pedra de mau agouro? Saiba mais

Do latim “opalus”, significa pedra preciosa. Extraídas desde o século XIV na antiga Tchecolosváquia, no século XIX foi associada a má sorte e sua popularidade declinou. Talvez por que, na França, acreditavam que quem usasse a pedra  se tornaria invisível, permitindo que a pessoa roubasse sem ser pego. Outro fato que contribuiu  para estigmatizar a Opala foi a associação da pedra ao sofrimento da rainha Vitoria, durante sua viuvez.

Mesmo com tantas superstições, a Opala voltou a ser valorizada durante os movimentos Arts & Crafts e Art Nouveau  (final do século XIX, começo do XX), pois ficavam muito harmônicas combinadas ao esmalte, material utilizado também no período.

As variedades são muitas. Desde a opala Oregon, bem transparente e encontrada neste estado norte-americano, até  a Opala azul e rosa do Peru; e a Opala de fogo – de uma cor laranja bem vívida- vinda do México e a Opala Negra, da Austrália, considerado o maior produtor de Opalas, com quase 95% das pedras comercializadas no mundo vindas das minas de lá.

Até o século XIX, eram raras. Atualmente, essas pedras de fogo e luz, e que refletem todas os tons do arco-iris através de seu jogo de cores, permanece forte na joalheria internacional. Em nosso acervo é possível encontrar colares, pingentes e brincos criados com opalas.

Mais posts

Procure em nossa loja